segunda-feira, 29 de maio de 2017

O Projecto Janus - Philip Kerr

Comentário:
O título pomposo, o contexto histórico do enredo e a magnífica apresentação do livro, tornam esta edição muito apelativa, que facilmente captura a atenção do leitor. As primeiras páginas não defraudam este interesse, abordando com coragem e emoção o conflito israelo-árabe no contexto da segunda guerra mundial, ou seja, nas vésperas e génese do estado judaico. Desde logo, uma abordagem arrojada: o apoio de algumas facções muçulmanas à questão judaica do programa nazi; por outras palavras, ao extermínio dos judeus. No entanto, em breve este turbilhão de bons augúrios se esvai e a leitura torna-se pastosa, sem sabor e, pior que tudo, sem uma linha definida. O leitor sente-se à deriva, perdido entre pequenas coisas sem interesse nenhum e outras cujo interesse ele só verificará no final do livro. Por esse mundo fora milhares de leitores abandonaram o livro nesta fase, o que é uma pena, porque as últimas duas centenas de páginas fazem regressar a emoção; as pequenas tramas ganham sentido, a história ganha um rumo e finalmente o leitor conclui que se trata de uma obra emocionante, lúcida, corajosa e pedagógica.
Em causa está, acima de tudo, um tema já muito abordado mas sempre interessante: a consciência alemã perante o holocausto; as feridas de um povo que se sentiu culpado mas também injustiçado, porque expiou os seus crimes de forma violenta e porque os criminosos foram também outros que, ao contrário, apareceram aos olhos do mundo como heróis. Falamos, obviamente de soviéticos e de americanos, que no final da guerra exploraram da forma que julgaram mais lucrativa a depauperada Alemanha. O plano Marshall que neste livro nem sequer é referido terá sido apenas uma forma mais de compensar a forma violenta com a Alemanha sofreu a guerra e o pós-guerra. 
Em suma, trata-se de um livro que é muito mais que um policial situado na segunda guerra mundial; é um livro sobre a consciência alemã, sobre as feridas enormes que deixou a questão judaica e sobra a consciência pesada que outras nações ainda carregam; sobre o oportunismo, sobre a maldade humana em geral; alguns dos personagens são verdadeiros monstros; e não são apenas os nazis. A procura do lucro desmedido molda a mente humana e conduz o ser humano a becos tenebrosos de desumanidade. Por isso este é um livro sobre (des)humanidade; sobre o pior da alma humana.

SINOPSE (in wook.pt)
Alemanha, 1949. No rescaldo da guerra, por entre o caos da derrota, o país é palco de todo o tipo de negócios obscuros, fraudes e intrigas políticas. Para Bernie Gunther, Berlim tornou-se demasiado perigosa e decide partir para Munique, onde voltará a trabalhar como detetive privado. No entanto, o negócio está fraco e os clientes são poucos. Quando a bela Britta Warzok o procura - o marido, responsável por um dos piores campos de concentração da Polónia, desapareceu -, Bernie está longe de imaginar a terrível conspiração que se esconde por detrás deste caso aparentemente simples. 
Na Alemanha do pós-guerra, nada é o que parece ser e, de um momento para o outro, Bernie ver-se-á envolvido numa intriga política que o ultrapassa. Quem ditará as regras do jogo serão antigos médicos das SS, ex-nazis em fuga à justiça, agentes da CIA e organizações secretas que apoiam a fuga dos carrascos do Terceiro Reich. Conseguirá Bernie Gunther enfrentar os fantasmas do seu passado e destruir o legado de Hitler?
Enviar um comentário