segunda-feira, 3 de maio de 2010

Os da Minha Rua - Ondjaki

A coleccção Biis, da Leya e o Plano Nacional de Leitura estão de parabéns pela divulgação deste magnífico livrinho que é mais uma expressão de génio da nova literatura angolana.
Trata-se da história dos meninos de Luanda, com Ndalu como personagem principal, talvez representação autobiográfica do autor. Ndalu é um menino sensível, honesto, traquinas.
Algures nos anos 80 do século XX, Ondjaki apresenta-nos uma Angola que nada tem a ver com o país que a Comunicação Social se habituou a descrever. Não é a Angola das minas, da guerra crónica, da corrupção ou da miséria que a alguns convém propagandear. É a Angola do povo, dos meninos do povo que vivem felizes nas ruas de uma cidade feliz. São os meninos do povo, com a sua imaginação prodigiosa, de onde lhes vem aquele riso e aquela felicidade ingénua. São meninos de prazeres simples, sentimentos profundos e lágrimas fáceis.
É um livrinho escrito com ternura e que se lê com ternura e um sorriso que nos acompanha até à última página; um livro simples como os meninos, onde não há maldade, ódio nem guerra, porque isso são coisas de adultos.
Na infância destes meninos nem sequer é necessário sonhar: a realidade comanda as suas vidas e o seu presente é o quanto lhes basta para serem felizes: os amigos, a telenovela brasileira, o futebol, as brincadeiras e o mundo fantástico que constroem com os “camaradas professores”.
Ao longo do livro sobressaem os sentimentos nobres e profundos das crianças mas também há lugar à tristeza. Não aquela tristeza deprimida que muitos associam a África mas uma tristeza feita de doce melancolia, num tom talvez herdado da saudade portuguesa, como no comovente episódio da despedidas dos camaradas professores cubanos: “a despedida tem cheiro de amizade cinzenta”.
Enfim, um livro cheio de imaginação infantil, numa linguagem quase poética, povoado pela força bruta da amizade que as crianças sabem, como ninguém, alimentar.
Enviar um comentário