segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Ravelstein - Saul Bellow



Sinopse:
Este livro pode ser definido como uma declaração de amor, de amizade e de admiração. O personagem-título do mais novo e polêmico romance de Saul Bellow é, na verdade, Allan Bloom, professor de filosofia que influenciou várias gerações de políticos americanos e chegou a ser recebido por Reagan e Thatcher. Como um pensador da Antigüidade Clássica, Bloom era um líder para seus alunos e sua ascendência ia muito além das salas de aula. Acima de tudo, ele procurava instigá-los a pensar, levando ao limite sua busca pela liberdade de pensamento e defesa da democracia. Saul Bellow se retrata no livro como Chick, um escritor que jamais conseguiu passar do quinto lugar na lista dos mais vendidos e amigo incondicional de Ravelstein, com quem se encontra em Paris. Saul Bellow também revela no livro a homossexualidade de Allan Bloom e sugere que ele teria morrido de HIV.
(extraído daqui

Comentário:
É o primeiro livro que leio deste escritor norte-americano (embora nascido no Canadá) e posso dizer que vale a pena, a julgar por esta obra. Saul Bellow obteve o prémio Nobel da Literatura em 1976 mas este é o seu penúltimo livro, escrito em 2000 quando Bellow contava já 85 anos de idade (veio a falecer em 2005). Mais do que um romance, trata-se de um livro de apontamentos biográficos.
Este livro, embora ficcionado, não deixa de ter fortes traços autobiográficos, representando-se no enredo a amizade do autor por Allan Bloom, conhecido politicólogo norte americano, aqui nomeado Ravelstein. Eminente especialista em política externa, ele privara com os grandes nomes da história americana do século XX e estudara Keynes e Friedman. Ravelstein é um daqueles personagens fortes, dominadores que encandeiam todos os que o rodeiam. Judeu culto, rico, invejado e idolatrado, Abe Ravelstein terá um final de vida dramático devido ao HIV, contraído devido a relações homossexuais promíscuas. A ideia que passa ao leitor é que a tentativa de anular o judaísmo parece funcionar em, personagens como este como um motivo para que a sua vida seja ainda mais marcante; como se a perseguição fosse motivo para uma espécie de vingança sobre o destino: viver em força, marcando a existência de tal forma que a memória nunca se apague. A vida, vivida no limite, com uma intensidade por vezes absurda, talvez fosse uma forma de combater a ignomínia com que algumas ideias políticas tentaram encobrir e perseguir os judeus.
Um outro aspeto muito interessante nesta obra é a forte abordagem da amizade entre os dois homens; Chick, alter-ego do autor idolatra Ravelstein; trata-se de uma daquelas amizades em que alguém se deixa quase subjugar pelo outro; por aquele que admira de forma quase sagrada. E a forte personalidade de Ravelstein pactua com esta situação e alimenta-a. Até a doença de Chick se assemelhe à do seu ídolo. Questiona-se aqui até que ponto a amizade pode conduzir à despersonalização; até que ponto uma personalidade pode dominar outras pessoas de forma tão avassaladora.
Enfim, trata-se de um livro interessante, de leitura fluida, que nos deixa com vontade de saber mais sobre este autor norte americano.
Enviar um comentário