segunda-feira, 25 de maio de 2015

O Guinéu da Orfã e A História do Limpador de Botas - Charles Dickens


Comentário:
Chegaram-me às mãos estes dois livrinhos que, como é óbvio, li num instante. Por se tratar de narrativas curtas com características comuns, optei por inseri-los numa mesma mensagem.
Trata-se de um curioso formato de minilivros, ideal para uma viagem ou uma sala de espera. O Guinéu da Órfã contem apenas um conto, enquanto a História do Limpador de Botas inclui para além do conto que dá título ao livro, A História de Ninguém e Entrar na Sociedade.
Para ir diretamente ao mais importante, o que melhor me impressionou nestes pequenos contos foi a constatação de uma verdade que só confirma o génio de Dickens: se, nas suas grandes obras, ele se espraia por explicações e descrições por vezes demasiado exaustivas, na narrativa curta, Dickens coloca totalmente de parte essa tendência, oferecendo-nos uma escrita muito económica, cingida ao essencial, desprovida de qualquer elemento supérfluo. Como é próprio de um contista de génio, ele consegue tratar a escrita de como se fosse filigrana, com um cuidado notável na escolha das palavras, o que confere uma enorme clareza à narrativa.
O Guinéu da órfã é um conto que sintetiza muitos dos grandes temas da obra de Dickens: a atenção dada aos desprotegidos, nomeadamente os órfãos, para quem a caridade vitoriana é mais um aspeto de exterioridade do que, de facto, obra de ajuda ao próximo. Por outro lado, a crítica social, nomeadamente em relação a uma aristocracia fútil e materialista.
A História do Limpador de Botas é um conto de raríssima beleza onde está bem vincada a sensibilidade e o humanismo de Dickens. O personagem central da estória é Cobbs, um modesto mas simpático criado de uma família abastada. Cobbs sintetiza as qualidades que o autor vê nas classes inferiores da sociedade: laboriosas e injustiçadas. Cobbs funciona, no entanto, como narrador da estória que nos fala da paixão infantil entre duas crianças com cerca de dez anos. Ao abordar o amor puro e belíssimo entre Henry e Norah, Dickens constrói algumas das páginas mais belas da sua bibliografia. É que Henry e Norah ainda não estão corrompidos pela hipocrisia e vícios da sociedade aristocrática; eles são belos e encantadores na sua pureza e na sua inocência. Eles são belos e de coração puro. Por oposição,  a sociedade é pérfida  e injusta.

Enviar um comentário