quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

As melhores leituras de 2015

Não sou muito dado ao cumprimento de tradições e muito menos de rituais. Mas não deixo de reconhecer que há alguma utilidade nesta coisa dos balanços anuais. Por isso também a mim me deu vontade de olhar para trás e escolher as melhores leituras do ano, que aqui deixo em formato de top 10, como nos mais enfadonhos sites da net.

10º lugar, um livro sobre gente simples como a gente. Pessoas apenas, na sua dignidade maior, a do trabalho e das lágrimas.
Pedras Negras - Dias de Melo

9º Lugar, uma das obras mais importantes da história da literatura. Uma obra de arte que nos fala de dilemas humanos e contradições do espírito.

O Vermelho e o Negro, de Stendhal

O 8º lugar vai para outro marco histórico; um livro original, de uma enorme criatividade embora não tão divertido como outras obras sobre esse período fabuloso da história que foi o império romano.


Memórias de Adriano - Marguerite Yourcenar 

Em 7º lugar, um clássico do texto dramático. à espera de alguém que ainda tamlvez não tenha chegado. Porque há coisas e pessoas pelas quais não vale a pena esperar...


À Espera de Godot - Samuel Beckett 

Em 6ª posição um clássico do século XIX. Uma epopeia sobre a capacidade de sofrimento. Um hino à força que o ser humano é capaz de buscar nas profundezas da alma.



No 5º lugar o mundo encantado de Dickens, num livro que é a imagem de todo o seu pensamento e obra: um livro sobre a força que vem da humildade, que não pode ser sinónimo de humilhação.


David Copperfield - Charles Dickens 

Na 4ª posição um livro percursor e, quem sabe, premonitório. Um livro inteligente que marcou o século XX e mudou para sempre a literatura de ficção científica.


2001 - Odisseia no Espaço - Arthur C. Clarke 

Em terceiro lugar, medalha de bronze, um pouco mais de Dickens; um pouco mais de genialidade pura; um pouco mais de generosidade, humanismo.



2º Lugar: mais um marco histórico, não só ao nível da literatura mas também no domínio político e de análise social. Um livro assustador pelo realismo da visão quase apocalíptica do futuro da humanidade.


Admirável Mundo Novo - Aldous Huxley 

E, finalmente, a melhor leitura de 2015.
Trata-se de um livro monumental, em dois grandes volumes mas que se lê com prazer, de forma fluída e divertida.
Uma epopeia medieval cheia de sensibilidade, humanismo e emoção. Que mais se pode querer de um livro?
Follett cada vez mais próximo de Auster e Murakami na minha escala de valor :)




A todos, feliz 2016






Enviar um comentário