segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Royal Flash, A Odisseia de um Cobarde - George MacDonald Fraser

Neste segundo episódio da saga Flashman, a Odisseia de um Cobarde, o nosso anti-herói enfrenta duas figuras reais da hiostória europeia do século XIX: a bela e efervescente (em vários sentidos) Lola Montez bem como o terrível e temível Otto Bismark, famoso político alemão. Na verdade, Lola foi uma famosa actriz e bailarina. No entanto, não foi por esses dotes que ficou na História mas sim por ter sido amante de grandes e famosos personagens históricos como o rei Luís I da Baviera e o músico Franz Liszt. Fraser descreve-a e forma de caricatura, expondo os seus modos exuberantes, a sua personalidade extrovertida, ambiciosa e… louca. Flashman que o diga, que foi vítima das suas garras e de um penico voador que quase o matou.
Quanto a Bismark é descrito como um autêntico rufia, capaz de tudo para atingir os seus fins. O grande construtor da Alemanha moderna é neste livro o grande inimigo de Flash (acredito que Fraser não tenha adquirido muitos amigos na Alemanha depois de publicar este livro).
As hilariantes mas dramáticas aventuras vividas pelo nosso herói arrancam-nos gargalhadas contínuas transformando este livro numa saudável e arrebatadora diversão.
O sucesso de Flashman talvez se explique porque todos nós temos um pouco dele. Mais ainda: todos gostaríamos de ser como ele: ter sucesso, tornar-se um herói ao mesmo tempo que escapa de todos os perigos e responsabilidades. E não é só sorte: Flashman é um verdadeiro artista da cobardia; ninguém como ele sabe fugir, utilizando as mais variadas estratégias. Ele é o testemunho vivo da virtude da covardia. Sem os cobardes creio até que a humanidade não teria sobrevivido ao longo da evolução: fugir é uma arte!
A habilidade do autor é notável, ao utilizar um estilo simples, objectivo, muito atractivo e de fácil leitura. Um aspecto curioso: Fraser criou um personagem, o sorumbático e birrento sogro, que tendo uma personalidade contrastante com Flash faz realçar no leitor todo carácter extravagante de Flashman.
A editora Saída de Emergência está também de parabéns pelo notável aspecto gráfico e criatividade com que concebeu uma capa a condizer com a obra.
Em suma, um livro que nos deixa com água na boca em relação ao terceiro episódio. Flashman é, seguramente, um dos personagens mais divertidos e mais habilmente construídos da literatura contemporânea. Uma trilogia a não perder por quem gosta de rir com os livros.

5 comentários:

Iceman disse...

Viva Manuel!

Eu vou quase a meio do livro e, enfim, só tenho a dizer que é genial a obra criada por George MacDonald Fraser.

Houvesse mais livros como Flashman e os nossos dias seriam bem mais agradáveis, tal a boa disposição que ficamos depois de ler algumas páginas.

Iceman disse...

Manuel,

só um aparte. Não se trata de trilogia, penso que a obra toda tem mais de 10 volumes. Não sei é se a editora Saida de Emergência a vai publicar na integra.

Manuel Cardoso disse...

K??? 10 volumes?! Que maravilha! Não sei onde fui buscar a ideia de três...
oxalá a editora continue a publicar. Pelo menos dois leitores fanáticos estão garantidos :)

manuel cardoso disse...

Para a sua estante, por curiosidade, sugiro: http://www.facebook.com/#!/group.php?gid=101739219861141

E boas leituras!!!

manuel cardoso

Manuel Cardoso disse...

Manuel Cardoso? Não fazia a minima ideia deste meu homónimo, ainda por cima escritor! :)
Já agora fica a informação para os frequentadores deste blog: este Manuel Cardoso, escritor, não sou eu :)
Trata-se do autor de "Um tiro na bruma", publicado pela Sopa de Letras.
Eu vou comprar e ler. Depois coloco aqui o comentário.