terça-feira, 4 de dezembro de 2012

A melhor leitura de Novembro - Húmus, de Raúl Brandão

Primeiras décadas do século XX. A pintura afastava-se do figurativo; a arquitetura abandonava os cânones neoclássicos; as artes decorativas, ditas menores, abraçavam a chamada Arte Nova; a literatura divorciava-se, ainda que provisoriamente, da narrativa clássica. O modernismo invadia as artes. 
Profundamente influenciado pelos grandes mestres da literatura russa, principalmente Dostoievski, Raúl Brandão publicava esta obra, onde a dimensão psicológica e reflexiva fornecia ao leitor uma intensa e inovadora abordagem da alma humana que haveria de influenciar de forma profunda e definitiva a literatura portuguesa contemporânea.
Uma obra por vezes perturbadora, por vezes encantada, globalmente reflexiva, Húmus está na charneira de uma nova realidade literária em Portugal.

Enviar um comentário