sexta-feira, 29 de agosto de 2014

O Adeus às Armas - Ernest Hemingway


Comentário:
Escritor extremamente versátil, símbolo da chamada"geração perdida" Hemingway é, sem dúvida, um dos mais brilhantes representantes da literatura americana do século XX.
Se a história da literatura fosse um romance, Ernest Hemingway seria a personagem mais fascinante e mais rica. A sua vida foi agitada como os seus romances. Poucos autores deixaram transparecer a sua própria vida, de forma tão clara, para a ficção.  Neste romance, que se desenrola no norte de Itália durante a primeira guerra mundial está bem patente a experiência do autor na guerra civil espanhola. Tal como Hemingway (que foi repórter mas depois também soldado no conflito espanhol), o protagonista vê-se envolvido na guerra, mesmo não sendo propriamente soldado.
Mas o que encontrei de mais fascinante neste livro foi o paralelismo entre a vida individual do Tenente Henry e a vida coletiva, da Itália e da Europa em geral. Hemingway encara o amor atribulado de Henry por Catherine em paralelo com o desenvolvimento da guerra. E a tragédia pessoal será o corolário de uma aventura individual tão intensa e dramática como a própria guerra. A tragédia de um ser humano não é menor que a tragédia de uma nação, de um continente ou da humanidade inteira porque cada homem encerra em si um universo inteiro.
Em termos de estilo, este livro, um dos primeiros de Hemingway, revela já a sua característica fundamental: uma escrita objetiva, sem rodeios nem floreados mas, ao mesmo tempo, com uma tremenda dimensão poética. É isto que mais ninguém consegue: ser objetivo sem perder a beleza poética da própria prosa.
Eis aqui um dos exemplos:
"Quando me tiravam da cama para me levarem à sala dos curativos via pela janela os túmulos recém abertos no jardim. À porta que dava para o jardim, um soldado, sentado, fazia cruzes e pintava-lhes os nomes, o posto e o regimento dos homens que eram enterrados no jardim." (Pág. 75)

Sinopse:
Adeus às Armas, muito provavelmente o melhor romance americano sobre a I Guerra Mundial, é a história inesquecível de Frederic Henry, um condutor de ambulâncias que presta serviço na frente italiana, e da sua trágica paixão por uma bela enfermeira inglesa. Ernest Hemingway foi um dos autores que mais contribuiu para revolucionar o estilo da ficção de língua inglesa. Veio por isso a receber o Prémio Nobel de Literatura em 1954.
in www.wook.pt
Enviar um comentário