sábado, 9 de agosto de 2014

O Códice Secreto - Lev Grossman


Quando saio da minha zona de conforto, ou seja, quando quebro a regra de só ler autores que me ofereçam garantias, acontece isto... desilusão. Não entendo muito bem porque é que algumas editoras tão bem conceituadas, tão competentes, como é o caso da Presença, editam livros como este (publicado em 2005). Bem, talvez eu esteja a exagerar. Este livro tem os seus méritos e certamente há por aí muito leitor que discorda desta avaliação negativa.
Na realidade há um ponto bastante positivo: o livro fornece-nos alguns dados interessantes sobre a Idade Média e tem fases de alguma emoção. Por outro lado, o facto de não se inserir em nenhuma etiqueta tradicional, como é enfatizado na sinpose (abaixo),  não deixa de ser um fator positivo. Há, de facto, qualquer coisa de original, de criativo, na forma como o livro é estruturado. No entanto, durante a maior parte da leitura, o ritmo narrativo é lento e esse é o maior pecado possível num livro que se pretendia emocionante.
O "cenário" até é muito bem montado: um génio das finanças, um verdadeiro workaholic, é surpreendido por uma proposta de trabalho muito peculiar: catalogar livros antigos e encontrar a todo o custo uma obra misteriosa do século XIV. Ao mesmo tempo, o nosso génio envolve-se com um jogo de computador altamente "viciante" que, misteriosamente, envolve um enredo cujos elementos se cruzam com a vida real do herói e com a história do tal livro misterioso da Idade Média. Esta ideia base parece-me bastante interessante e até oferece bons momentos literários, mas fica sempre a sensação que os elementos de mistério nunca foram explorados até ao limite.

Sinopse:
O Códice Secreto é um daqueles raros livros que escapam habilmente a uma categorização mais imediata. Thriller literário, histórico, bibliothriller ou romance com laivos de metaficção, a verdade é que este segundo livro de Lev Grossman exerce sobre o leitor uma embriaguês literária que, página a página, se vai transformando, insidiosamente, numa obsessão que só uma leitura ávida poderá aplacar. Aliás, o próprio protagonista, Edward Wozny, partilha com o leitor esse estado de inebriamento obsessivo, uma vez que também ele foi apanhado nas malhas do fascínio por uma obra da literatura medieval, um códice secreto do século XIV, atribuído a Gervase de Langford, e que supostamente encerra, numa mensagem criptografada, um segredo apocalíptico selado durante séculos. Edward estava prestes a gozar umas merecidas férias, depois de vários anos a construir uma carreira de sucesso num prestigiado banco nova-iorquino, quando lhe é pedido que organize a biblioteca privada de um casal de aristocratas britânicos, clientes do banco e fabulosamente ricos. Em breve, aquilo que se afigurava uma tarefa fastidiosa transforma-se numa odisseia de contornos inusitados onde ganham vida uma imaginação electrónica prodigiosa, na forma de um jogo de computador sofisticado e tão viciante quanto a própria procura do códice, e uma indecifrável teia de coincidências e ligações entre a realidade virtual, a lenda medieva e o presente de Edward. Plena de suspense e mistério, esta obra perturba e delicia, com o mesmo grau de intensidade, ao expor perante o nosso olhar a beleza e o incrível poder encantatório que podem envolver uma história bem contada e tornar tão vulnerável o leitor.
in www.wook.pt
Enviar um comentário