terça-feira, 26 de agosto de 2014

Uma Fazenda em África - João Pedro Marques


Uma agradável surpresa, esta que nos proporciona a sempre simpática Porto Editora. Com uma capa excelente e uma apresentação magnífica, este livro surpreende, acima de tudo, pelo rigor da abordagem histórica que está por detrás do enredo ficcional mas também pela habilidade com que o autor constrói esse mesmo enredo, gerindo com muita mestria o comportamento das personagens.
Estudar e recriar o funcionamento de uma colónia de pioneiros em África é, só por si, uma aventura. Algumas das grandes obras primas da literatura universal abordaram esta vertente do comportamento humano: o espírito gregário e as relações sociais que se estabelecem entre as pessoas. Aqui, em Moçámedes, como não podia deixar de ser, haveriam de surgir os maus e os bons, os trabalhadores e os diletantes. Por vezes afirmamos que a ficção cai sempre neste maniqueísmo de dividir os seres humanos em bons e em maus, mas a verdade é que essa perspetiva não é mais que um espelho da vida real. E, sem duvida, uma  das vertentes mais interessantes deste livro é precisamente essa dinâmica entre a ética e o lucro, essa oposição constante entre o proveito próprio e a filantropia de um grupo de pessoas que, bem ou mal, queria levar a civilização e os "bons" valores a África.
Mesmo assim, é possível notar que o autor não deixa de cair numa perspetiva preponderante do colonizador. Os negros são muitas vezes descritos como uma espécie de animal exótico ou simplesmente como seres destinados a serem "domados" por via da escravatura. Será interessante que o leitor confronte esta visão tipicamente europeia com uma outra, por exemplo a que encontramos em A Conjura, de José Eduardo Agualusa, em que o autor vê a colonização na perspetiva do angolano.
É que o tipo de colonização empreendido naquela época (segunda metade do século XIX) já nada tem a ver com a exploração comercial dos primórdios da expansão mas, pelo contrário, numa fase pré-Conferência de Berlim, em que se procurava a todo o custo estabelecer o domínio territorial e uma economia de fixação, de cariz agrícola, baseada na escravatura.
Um dos aspectos mais notáveis deste livro é a inteligência com que o autor consegue moldar e transformar o caráter da protagonista, Benedita, que, lentamente, se vai transformando, desde a ingénua donzela até à fortíssima personagem de mulher fatal.
Num país com uma história tão rica, é fundamental que em Portugal continuem a publicar-se obras de ficção histórica como esta. Embora caindo numa perspetiva algo etnocentrica, é uma obra com notável interesse pedagógico. E literário, obviamente.

SINOPSE
"Uma história de amor e aventura nos primórdios da colonização de Moçâmedes.
Ao acordar em sobressalto naquela noite de junho de 1848, a jovem Benedita não podia imaginar a transformação radical que a sua vida iria sofrer. Um ano volvido, tendo perdido tudo o que a prendia a Pernambuco, embarcava com escassos haveres e o coração apertado em direção a Moçâmedes. Consigo seguia mais de uma centena de portugueses que, desiludidos com o Brasil, procuravam uma nova oportunidade, fundando uma colónia agrícola do outro lado do Atlântico.
Uma Fazenda em África acompanha a vida e as histórias dos primeiros colonos numa terra brutal, trazendo à superfície os sucessos e desaires, os perigos e as surpresas da sua fixação num território
inóspito e selvagem.
Baseado numa investigação histórica meticulosa e tendo como pano de fundo a colonização de Moçâmedes, este novo romance de João Pedro Marques leva-nos por uma África simultaneamente
enternecedora e inclemente, carregada de exotismo e em cujos trilhos a aventura e o amor caminham de mãos dadas."
in http://www.portoeditora.pt/

Enviar um comentário