terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Livros que me marcaram em 2010

Como estou de férias deu-me para fazer este exercício: escolher de entre os livros lidos em 2010 (99 até ao momento) os que mais me marcaram, por diversos motivos. Assim:

O mais divertido – Flashman, a Odisseia de um Cobarde – George MacDonald Fraser
Lê-se gargalhando :)

O mais triste – Uma Casa na Escuridão - José Luís Peixoto
Triste é dizer pouco. Negro. Belíssimo.

O mais revoltante – O Rapaz do Pijama às Riscas - John Boyne
Uma pequena obra-prima. Está ali toda a maldade humana.

O mais original – O Outono em Pequim - Boris Vian
Um livro inimitável; uma imensa fábula.

O mais sonhador – As Pontes de Madison County - Robert James Waller
Lê-se sonhando.

O mais delirante – Kafka à Beira-Mar - Haruki Murakami
Genial na mistura do misticismo oriental com um intenso optimismo.

O mais difícil – As Cidades Invisíveis - Italo Calvino
Um desafio tremendo. A beleza descobre-se devagarinho, por entre uma linguagem quase codificada.

A decepção – Sensibilidade e Bom Senso - Jane Austen
Que coisa mais chata!

O pior – O Toque da Morte - Stephen Booth
CSI rural.

A revelação – Loucura Azul – Paulo Alexandre e Castro e Jonathan Srange & o Sr. Norrell - Susanna Clarke
Um génio português nascente e um super-policial com muita magia celtica. Lindo!

A confirmação – Livro – José Luís Peixoto
"O" génio.

O mais profundo - A Condição Humana - André Malraux
Para ler, pensar, repensar, reler e recomeçar o ciclo.

A obra-prima (o melhor do ano) – Guerra e Paz - Lev Tolstoi
Impossivel fazer melhor.
Em bereve colocarei aqui o meu top-20.
Enviar um comentário