terça-feira, 29 de maio de 2012

O Inverno do Nosso Descontentamento - John Steinbeck




O Inverno do Nosso Descontentamento é um título feliz, poético e bem adequado a esta obra. Trata-se de um dos últimos livros de John Steinbeck. Por este motivo é considerado por muitos como uma das obras mais “maduras” do grande escritor. Pessoalmente, acho mais adequado encarar este romance como uma obra em que o autor se desvia bastante das características básicas dos seus livros anteriores. Mas vamos mais devagar.
Este livro trata de um homem bom, como tantos personagens de Steinbeck. Um homem simples e bom, proveniente de uma família abastada de uma pequena cidade conservadora americana: New Baytown. No entanto, Ethan é o último herdeiro de um património misteriosamente perdido no tempo do seu pai e acaba por se tornar um modesto empregado de um avaro comerciante, proprietário de uma loja (Murillo), onde Ethan é o único e modesto funcionário.
Ao longo de todo o enredo, Ethan personifica a luta entre a moralidade do homem bom e a ambição de um enriquecimento que, aos poucos, se vai revelando incompatível com essa mesma moralidade. Até às últimas páginas do livro, mantém-se este dilema, assim como um outro: a identidade do personagem em confronto com a identidade da família, das suas raízes familiares.
Penso que aquilo a que os críticos chamam a maturidade literária do autor materializa-se neste livro mas de uma forma não obrigatoriamente positiva para o leitor; Steinbeck ganha neste livro uma intensidade reflexiva que não detetamos em Ratos e Homens, Tortilla Flat ou mesmo na sua obra prima, As Vinhas da Ira. Mas, pelo contrário, perde, a meu ver o que ele tem de mais extraordinário: a singeleza, a simplicidade, a humanidade das suas personagens. Aqui, Ethan tem alguns desses traços de humanidade típicos do autor, mas, lentamente, vai questionando toda essa humanidade, à medida que vai equacionando a hipótese de renunciar à honestidade para ceder à tentação do crime.
É sem dúvida, a obra mais reflexiva que li deste autor. Aquilo que ganha em profundidade psicológica perde, a meu ver, em ritmo narrativo. Mesmo assim, no final resiste a crença infinita de Steinbeck no ser humano. 

9 comentários:

pedro aguiã disse...

Portanto, é um bom livro?
Quando passei pela Bertrand no domingo anterior , tive na dúvida entre este mesmo livro e " A Leste do Paraíso". Acabei por comprar esse último mas acho, não tendo a certeza absoluta, que o inverno do nosso descontentamento não ficaria atrás - talvez compre para uma próxima visita à livraria!
Abraços,
Pedro

Manuel Cardoso disse...

Olá Pedro.
Sim, é um bom livro. Mas é o menos excelente (desculpa a força de expressão) dos que li dele.
A Leste do Paraíso é um dos que ainda não li.
Na minha opinião As Vinhas da Ira é o melhor. Sublime, mesmo.

Tiago M. Franco disse...

De steinbeck apenas li O Milagre de São Francisco...

Kézia Lôbo disse...

Parece ser um daqueles livros que paramos pra pensar sobre tudo, a vida, nossas decisões, noss futuro, bueno confesso que nunca li um livro de John Steinbeck, mas fiquei curiosa, quero ter a oportunidade de ler.

tonsdeazul disse...

Steinbeck é daqueles autores que vale sempre a pena voltar às suas histórias. Este e "O milagre se São Francisco" também estão na lista. ;)

Fernando Évora disse...

O Steinbeck é um dos meus "ídolos". Achei muito interessante a análise do Manuel Cardoso. Li o livro há alguns anos, na versão original (quer dizer, em inglês). Na altura senti alguma dificuldade em o acompanhar, pensei que devido à barreira da língua. Estranhei, pois lera outros livros do Steinbeck em inglês (Of mice and man e The Pearl). Pensei que estava enferrujado no inglês. Mas afinal talvez o Manuel tenha razão: é um livro mais reflexivo. Talvez por isso adulto. E assim descobrimos que à medida que envelhecemos ficamos mais reflexivos mas perdemos alguma beleza "narrativa", a ingenuidade poética e revolucionária. Talvez apenas talvez.

Manuel Cardoso disse...

É, Fernando, é mais reflexivo e mais complexo. Acho que Steinbeck pretendeu sair um bocado daquele realismo que o carateriza e, a meu ver, fez mal...
um abraço

SEVE disse...

John Steinbeck é absolutamente imperdível -"AS VINHAS DA IRA" um marco da literatura; "A LESTE DO PARAÍSO" um livro onde VI (eu vi) um cágado subir um passeio, e todos, mas todos deste grande e imortal autor são imperdíveis. Contudo, "O INVERNO DO NOSSO DESCONTENTAMENTO" faz parte do meu acervo e daqueles 80% dos livros que tenho que ainda não li; e vou sempre comprando, comprando, aliás não sei viver sem livros, não consigo sair de casa sem livros, por mais curta que seja a minha saída.

Filomena Santos disse...

Para mim o melhor do Steinbeck é mesmo o "A Leste do Paraíso" (aqui para quem quiser ler: http://portugues.free-ebooks.net/ebook/A-Leste-do-Paraiso), e a sua versão de cinema não ficou atrás - tudo o que tenha o James Dean vale a pena! :D