domingo, 27 de janeiro de 2013

O Varandim seguido de Ocaso em Carvangel - Mário de Carvalho




Sinopse: Uma opereta com ecos de tragédia
 Um canhão assombrando uma cidade. Um patíbulo armado de noite. Um istmo que conduz a uma cratera. Uma diligência cercada por cães selvagens. Nuvens de grifos imundos sobre o mar. A batalha sangrenta dos pescadores. Uma galeria de anarquistas, mais nobres que plebeus. A casa de Madame Ricciarda. A casa de Madame Musette. Dois jesuítas. Um padre que toca violoncelo. Um navio que não chega mais. Uma opereta com ecos de tragédia. Sol, luz, névoa e lua. Oito mulheres, amores duplos, triplos e quádruplos. De como a vida engana a morte. Ou o inverso. Porque há em gente pacata uma apetência de morte tão grande? Porque é que nunca se regressa daquela viagem? Porque é que aquele navio não chega? Porque é que aquele canhão jamais dispara?

Comentário:
 Mais uma obra brilhante de Mário de Carvalho. Fabulosa. Imperdível.
É constituída por dois contos (ou dois pequenos romances), aparentemente independentes, mas com alguns pontos em comum: são duas claras sátiras ao poder político. Ambas se passam num tempo e num espaço geográfico indeterminados. Diríamos que podiam desenrolar-se no século XIX no leste europeu ou no século XIX em Portugal. De facto, à medida que avançamos na leitura vamos encontrando a nossa vida ali escrita, com palavras simples e belas como só Mário de Carvalho sabe escrever.
Tal como em todas as suas obras, também aqui o autor exprime-se de uma forma que lhe é bem, peculiar, com uma notável economia narrativa; se nos distraímos um pouco, imediatamente perdemos o fio à meada tal é a ausência de descrições inúteis ou devaneios, tão queridos de determinados escritores portugueses.
O primeiro destes contos – O Varandim – é uma belíssima sátira à natureza do poder político, populista, elitista e por natureza socialmente injusto. Em jeito de tragicomédia, este conto revela bem como a pena de Mário de Carvalho está mais acintosa que nunca, mas sempre subtil e esmerada. Cada palavra parece ser meticulosamente escolhida e cada frase cirurgicamente construída.
“O Varandim” faz-nos sorrir pela forma está escrito mas também porque, paulatinamente, nos vamos revendo naquelas páginas. Alguém tem de ser condenado para que o povo saiba e se penitencie. E, acima de tudo, para que todos tenham medo. Assim é no misterioso grão-ducado da Svidânia, assim é por todo o lado em todos os passados e presentes. O grão-duque e o primeiro-ministro, afinal, não são estranhos. Eles andam por aí…
Com ou sem execuções públicas, a perversão do poder está por todo o lado… até que um dia algo de extraordinário acontece aos varandins do poder.
No segundo conto há um jovem notário filho de um burguês falido que migra para a cidade de Carvangel. Uma mulher jovem, filha de um alfaiate falido, procura casamento. Várias mulheres procuram casamento. Vários homens sonham enquanto vivem de mãos nos bolsos vazios. E uma cidade inteira espera pelo navio Maria Speranza que os leve a todos.
Todos sonham com o misterioso navio… entretanto os pescadores matam-se uns aos outros; as mulheres digladiam-se pelos maridos; o assustador canhão da cidade nunca dispara; as espingardas matam grifos e abutres; e o navio que trada…
Carvangel é esta terra de onde todos sonham fugir…
Impossível resistir a Mário de Carvalho…
Enviar um comentário