quinta-feira, 3 de julho de 2014

Acabadora - Michela Murgia


Sinopse:
Numa pequena vila sarda, a velha costureira, Ti Bonaria, acolhe Maria, «cedida» a ela por uma família humilde com muitos filhos. Oferece à sua «filha da alma» uma profissão e estudos, uma escolha audaciosa para uma mulher na Sardenha dos anos cinquenta. Maria cresce rodeada de ternura; mas há certos aspetos da vida da Ti Bonaria que a incomodam, em particular as suas ausências noturnas. Ela não sabe que a velha é a acabadora, a «última mãe», a mulher que ajuda os que sofrem a morrer. No dia em que descobre, a sua vida muda por completo e serão necessários muitos anos para que consiga perdoar à sua mãe adotiva. Com uma linguagem poética e essencial, Michela Murgia cria duas personagens inesquecíveis numa Sardenha intemporal, de costumes fascinantes.
in www.wook.pt
Comentário:
Eis como se pode escrever de forma agradável sobre a eutanásia; este é o melhor elogio que se pode fazer a este livro. Sobre um tema tão lúgubre, em que a morte está por todo o lado; sob um ambiente tão "pesado", a autora submete a morte ao amor. 
Esta não é uma obra-prima nem pretendeu ser; é um livro simples, que se lê num ou dois serões, com uma escrita profundamente poética mas ao mesmo tempo simples e objetiva. Ou seja, sendo um livro sobre algo que é por natureza doloroso, não deixa de ser uma leitura agradável e mesmo bastante positiva.
Mesmo assim, por detrás da aparente leveza da escrita não deixa de estar uma Itália profundamente triste e deprimida, saída da segunda guerra mundial, em que o fascismo de Mussolini provocou a devastação e a miséria. A comunidade rural da Sardenha, de onde é originária a protagonista, é retratada como palco da mais sórdida miséria, onde as famílias dificilmente conseguem sobreviver com dignidade. Esta realidade sócio económica é agravada por um quadro mental extremamente conservador, onde reina a superstição. Este conservadorismo, escondido por detrás de tradições e de uma moral apenas aparente, constitui um quadro de obscurantismo que prevalece nesta velha Europa, ainda e sempre dominada pelo preconceito.
Mas a critica social e de costumes não são as alavancas principais deste livro; ele ganha força, sobretudo, com a dinâmica emocional; não direi que é um livro escrito para fazer chorar as almas mais sensíveis mas anda muito perto disso; é uma obra que se dirige muito mais ao coração do que há racionalidade de quem lê.
Não é, por tudo isto, um livro de grande excelência literária; mas é um livro que encerra uma mensagem polémica e atual e, como toda a literatura de qualidade é uma obra capaz de fazer refletir o leitor.
Sendo um livro muito pequeno, com uma escrita muito sintética e um enredo muito linear, não é uma obra de profundo alcance literário. Mas vale bem todos os minutos que empregamos na sua leitura.
Enviar um comentário