segunda-feira, 12 de julho de 2010

Dalí e Eu - Stan Lauryssens

Desde há muitos anos que tenho uma paixão quase obsessiva pela pintura de Salvador Dali. Por isso, quando vi a capa deste livro, como o famoso bigode do grande Mestre catalão, com um título como este, na estante da FNAC, nem pensei duas vezes antes de o comprar. Esta minha atitude que dispensou qualquer hesitação, é explicada pelo autor logo no início do livro, com uma frase de apenas duas palavras: “Dali vende.” A minha compra impulsiva é a prova mais recente desta verdade. E julgo também que foi por isto ser verdade que o autor escreveu este livro.
O livro é, basicamente, uma recriação auto-biográfica. O autor transporta o seu próprio nome para o herói do livro e, ficamos a sabê-lo pelo texto da contracapa, foi ele próprio protagonista de uma história idêntica à que é relatada.
O joven Stan, “fabricante de buracos de queijo belga” depressa percebeu que Dali era um filão. Ou melhor, as obras falsas de Dali. Stan é um aldrabão entre os aldrabões que enchem o mundo da arte. Pior que isso: Dali era, ele próprio, o maior dos aldrabões, ao falsificar os seus próprio quadros, usando centenas de assinaturas diferentes, assinando quadros em branco para depois serem preenchidos com reproduções ou mesmo encomendando milhares de quadros aos seus assistentes para depois se limitar a assiná-los (outras vezes nem isso). Ler este livro é como caminhar em círculos no interior de um manicómio onde todos procuram os caminhos mais absurdos para a sua realização pessoal.
Mas outras aldrabices colossais, a meu ver, preenchem este livro: as do próprio autor, que nos brinda com pormenores escabrosos de uma vida de Dali, num relato em que a sua imaginação terá tido um papel importante.
Dali vigarista, empresários de arte vigaristas, vendedores vigaristas mas… quem aldrabam estes vigaristas? Serão mais honestos os que compram, usando dinheiro ganho em negócios pouco claros? Quem dá uma fortuna por um quadro falso usará apenas dinheiro honesto? E nós, leitores, não entraremos também nesta cadeia de intrujões e trapaceiros? Depois de lermos coisas como esta, vamos aldrabar quem? Talvez os que lêem os nossos comentários ao livro… quem nunca aldrabou que atire a primeira pedra.
Salvador Dali era um louco, todos o sabemos. Obviamente, o conceito de “louco” é relativo e Dali considerava-se apenas… surrealista. No entanto, a sua vida, as excentricidades que este livro descreve e (julgo eu) exagera, fazem dele um verdadeiro louco. Mas um louco pouco saudável, ao contrário daquela loucura que qualquer ser humano procura para ser apenas feliz.
Enviar um comentário