terça-feira, 14 de maio de 2013

O Mestre - um balanço da minha Maratona Saramago




Lidos que foram 15 dos 18 romances de Saramago, mais um livro de contos e uma peça de teatro, senti necessidade de fazer uma síntese para memória futura; assim, deixo aqui a lista dos livros lidos com um brevíssimo comentário em forma de tópicos.
Volto a dizer o que já escrevi muitas vezes: não sou ninguém para fazer crítica literária e muito menos para avaliar José Saramago; o que aqui deixo são apenas impressões pessoais das minhas leituras. A notação reflete apenas o grau de prazer que me proporcionou a leitura.

Caim – Brincando com coisas sérias. Interessante pelo sentido de humor; não acrescenta nada à bibliografia de Saramago. 8.2/10
Objecto Quase – Uma grande surpresa. Contos geniais. Exercícios literários soberbos. 9.6
Levantado do Chão – Pungente, sublime, sofrido. Dói só de ler. 9.7
O Ano da Morte de Ricardo Reis – Arte em estado puro. Genial. Arrojado e vencedor. 9.8
Ensaio sobre a cegueira – mordaz na crítica generalizada a este mundo de cegos. 9.6
A Jangada de Pedra – Criatividade literária e inteligência na abordagem política. 9.6
Manual de Pintura e Caligrafia – Um “treino” para o futuro grande Mestre. À procura de um estilo. Titubeante. 7.8
O Evangelho Segundo Jesus Cristo – Poderoso, atrevido, corajoso. Um Cristo humano, rodeado de humanidade mas também do ódio de Deus e do Diabo. 9.6
História do Cerco de Lisboa – Não gostei e não sei bem porquê. Talvez porque estou formatado para abordagens mais lineares da História de Portugal. 7.7
O Homem Duplicado – Genial. Os duplicados que há em todos nós. Um espelho da nossa alma. Saramago no seu melhor ao nível da abordagem da alma humana. 9.7
A Caverna – Um livro herdeiro do neorrealismo; cativante na sensibilidade humana do Mestre. Pungente. Às vezes comovente. Um final épico. 9.8
Todos os Nomes – um enredo construído de forma genial. Maravilhoso. 9.8
Que Farei com este Livro – Uma viagem alucinante e humaníssima à vida de Camões. O dedo apontado ao obscurantismo que, ontem como hoje, nos destrói a inteligência. 9.2
Ensaio Sobre a Lucidez – critica mordaz ao sistema político mas pouco mais que isso. Um dos livros mesos poderosos de Saramago. 8.8
Memorial do Convento – Único. Épico. Comovente. Maravilhoso. 9.9
As intermitências da Morte – Uma grande diversão sobre a morte. De como é possível rir dela. Acho que foi a rir que o Mestre morreu. Bem haja para sempre, Mestre 9.7


Imagem daqui: http://www.hojelusofonia.com/lusofonia/jose-saramago/
Enviar um comentário