quinta-feira, 8 de março de 2012

Breve História de Amor - Tiago Rebelo


Há muito tempo que não sentia este vazio, este quase drama de acabar uma leitura e não ter quase nada para dizer sobre o livro. Isto é mau sinal, decididamente. Quererá isto dizer que as minhas aptidões como leitor estão em crise, como o país? Quererá isto dizer que não percebi nada do livro? Modéstia à parte, parece-me que não. Parece, isso sim, que o livro não me disse absolutamente nada! Este livro não comunicou comigo. Contou-me uma estória, ou melhor, umas dezenas de pequenas estórias absolutamente banais, “secas”, sem significado para mim.
É óbvio e evidente que não estou a querer dizer que este é um mau livro. Não, isso é tarefa para os críticos. Aliás, o facto de eu não ter gostado do livro é mais um sinal de que talvez os críticos profissionais tenham gostado.
Mas voltando ao assunto: isto de contar estórias do dia a dia, sem que aconteça nada de extraordinário, apenas descrevendo situações banais da vida de qualquer pessoa, é aquilo a que o povo (nós) chama um pau de dois bicos: por um lado torna a narrativa realista, mas por outro torna-a completamente desinteressante. É isto: não digo que é um mau livro, digo, isso sim, que é um livro totalmente desinteressante.
Nunca tinha lido nada deste autor e há já muito tempo tinha intenção de ler. Comecei por este e talvez tenha tido pouca sorte; talvez este livro seja um “parêntesis” numa interessante bibliografia do autor. Talvez. Mas, cingindo-me a este livro dou conta que desperdicei o meu tempo…
Enviar um comentário