quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Mudanças - Mo Yan




Sinopse
Em Mudanças, Mo Yan descreve, na primeira pessoa, as alterações políticas e sociais no seu país ao longo das últimas décadas, num romance disfarçado de autobiografia, ou vice-versa. Ao contrário da maioria dos escritos históricos sobre a China, que se limitam a narrar acontecimentos políticos, Mudanças conta a história do povo, numa perspetiva mais intimista de um país em transformação. Avançando e recuando no tempo, Mo Yan dá vida à História, descrevendo com acutilância e muito humor os efeitos dos acontecimentos do dia-a-dia na vida do cidadão comum. 

Comentário:
Para quem, como eu, nunca havia lido Mo Yan é surpreendente a falta de originalidade e mesmo de qualidade literária deste pequeno romance. Pode ser uma “obra menor” do escritor, ou seja, pode não ser representativa da sua bibliografia, mas vista assim isoladamente, esta é uma obra parca de originalidade, com um enredo demasiado simples e previsível e que tem como único atrativo a linguagem simples que propicia uma leitura rápida e fácil.
Em termos de temática o livro faz lembrar o neorrealismo português do século XX: as dificuldades do povo, perante as classes dominantes e a miséria material.
O enredo é marcado por nítidos traços autobiográficos; o autor, tal como o personagem principal do livro cresceu num meio pouco favorecido e viria mais tarde a encontrar o sucesso pela escrita. Pelo meio ficava a luta política e um contexto social algo contraditório. O contexto político, marcado pelo comunismo chinês, não é nunca alvo de uma crítica aberta por parte do autor; ele próprio se adaptou ao sistema e o final do livro revela, por um lado, a corrupção reinante no sistema, por outro lado a acomodação total do autor ou, neste caso, do personagem principal.
Não posso evidentemente dizer que este é um mau livro, é um livro simples e algo despretensioso. Em muitos aspetos é um livro pouco cuidado e com um enredo demasiado linear. Mas nunca adivinharemos (se não o soubéssemos) que é uma obra de um prémio nobel. Livros com melhor qualidade literária que este “Mudanças”, temos em Portugal, seguramente, largos milhares.
Finalmente uma palavra para esta nova editora que agora aparece, precisamente com este livro a marcar o seu arranque: Divina Comédia. Este livro é-nos apresentado com uma qualidade excelente, em termos gráficos e materiais. Esperemos que assim continue.

7 comentários:

Cristina Torrão disse...

Interessante, esta tua opinião. Sabes se se trata de uma obra antiga ou recente?

Manuel Cardoso disse...

Olá Cristina
o livro foi escrito em 2010.
Beijinhos

nuno chaves disse...

pelo que li adoraste...

Manuel Cardoso disse...

estás a ser irónico, né? :)
Mas olha que também não detestei; é um livro pequenino, de cerca de 160 páginas, que se lê com leveza e rapidez.

Tiago M. Franco disse...

Pelo comentário dá vontade de ler ;-)

Manuel Cardoso disse...

vale sempre a pena ler, Tiago :)

toutjour disse...

Acabei de ler recentemente o Peito Grande Ancas Largas e é uma história colossal, uma saga familiar cheia de personagens e situações que ficam connosco. Quando existirem outras obras do autor no nosso mercado, certamente vou repetir. Muito me interrogo sobre o que fica perdido na tradução uma vez que o livro é traduzido do inglês e a propósito desta reflexão, penso que uma das razões do sucesso do António Lobo Antunes, que não é dos meus autores preferidos, é que a sua prosa é fácil de adaptar à língua inglesa.