quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

La Coca - José Rentes de Carvalho




Sinopse:
Manuel Galeano - que sempre tivera "o contrabando no sangue" - sumiu antes do segundo encontro. Inesperadamente, como cruzara o caminho do seu velho conhecido em Amesterdão. O primeiro encontro, seguido de uma conversa saborosa no bar de um hotel, cheia de memórias de juventude e de algumas confidências do presente, é o ponto de partida para uma longa evocação e uma viagem sentimental: da história do tráfico entre o Minho e a Galiza - tráfico de cigarros, uísque, barras de ouro, gado e café e mais recentemente de narcóticos - e os seus protagonistas - Diogo Romano, El Min, Sito Miñano, o Pardal, o Pepe, Mustafé e o Laurestim-, que durante décadas enformaram o imaginário pícaro local; e a viagem de revisitação que o autor deste livro faz aos lugares da infância e da primeira idade adulta.
La Coca é também uma investigação literária - que se materializa neste livro - e um pequeno tratado dos mecanismos da memória.
Um romance breve, profundamente irónico e terno. E a escrita clara, brilhante, de Rentes de Carvalho.

Comentário:
Confesso que nunca tinha tido conhecimento da obra deste escritor; o meu interesse foi despertado por um post no blogue http://queroumlivro.blogspot.pt e em boa hora segui a recomendação da sua autora, N. Martins.
Ler Rentes de Carvalho foi, para mim, uma das melhores surpresas dos últimos tempos.
Este livro consegue algo impensável para a maioria dos escritores de ficção: agarrar o leitor do princípio ao fim sem dispor de um narrativa minimamente recheada daquilo a que gosto de chamar estória. Quer dizer: aqui não há suspense, não há incerteza no desfecho; o que há é uma autêntica conversa com o leitor. O autor não conta uma estória mas acaba por contar centenas delas, como alguém que conhece a fundo aquele meio, ao mesmo tempo assustador e maravilhoso do contrabando. Desde o mais pequeno do contrabandista, que age à margem da lei para sobreviver, até ao autêntico “padrinho” que comanda verdadeiros cartéis, Rentes de Carvalho dá-nos a conhecer um mundo impensável para a maior parte de nós, o mundo da criminalidade na Galiza e Alto Minho.
Poucos como Rentes de Carvalho expressam tão bem esse sentimento vago e maravilhoso que é a nostalgia da memória: o bom e o mau, o agradável e o detestável, o heroico e o criminoso, todas estas aparentes antíteses não passam de faces das mesmas moedas, porque no coração dos homens raramente está a consciência do bem ou do mal: está uma forma de viver. A nostalgia do passado é evocada sem juízos de valor; apenas interessa a vida e os sentimentos de quem vive.
Ao longo da leitura várias vezes me vieram à mente imagens daqueles homens cuja experiência de vida fez deles grandes contadores de histórias; em Rentes de Carvalho a imaginação e a criatividade misturam-se com um palco de memórias e tudo isso é levado à escrita de uma forma fácil, fluida e muito agradável de ler.
Não é um livro do qual se possam fazer muitos comentários; é um livro simples, singelo, capaz de entreter quem lê. Aqui não há mensagens de fundo nem lições de moral: há uma narrativa cheia de valor antropológico, onde se visitam lugares e, acima de tudo, emoções de pessoas simples, de seres humanos a quem o destino encaminhou para múltiplos caminhos.
Enviar um comentário