sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Os Cachorros Os Chefes - Mario Vargas Llosa

Comentário:
Nascido no Perú em 1936 e prémio Nobel da Literatura em 2010, Mario Vargas Llosa configurava uma das grandes lacunas deste blogue. De facto, este foi o primeiro livro que li de Llosa. Não sou, como já disse várias vezes, apreciador da narrativa curta mas este livro é um dos melhores exemplares do género que li até hoje.
Na verdade, a escrita terrivelmente económica de Llosa dá espaço para um estilo cheio de simbolismo em que nada é deixado ao acaso. Os dois contos que dão título à obra encerram um simbolismo que, no entanto, não dão à escrita um carater hermético como tantas vezes acontece em obras do género. Tudo é claro e transparente. Senão vejamos:
No primeiro conto, Os Cachorros, narra-se a história de uma criança, depois adolescente e adulto, cuja vida fica marcada pelas regras rígidas de uma escola interna onde o convívio com colegas e professores é por vezes bastante duro. A essa violência do dia a dia junta-se um episódio dramático em que o nosso herói é mordido por um cão na zona genital. Obviamente, ele ficará marcado para o resto da vida e o seu destino ficará determinado por este acontecimento. No entanto, a castração de que foi vítima simboliza claramente muito mais do que o episódio do cão; representa todo o contexto social e educacional, todo ele castrador de que foi vítima. Assim, os Cachorros, assim mesmo nomeados no plural, só poderão ser entendidos como os seres humanos que rodearam o pobre e infeliz Cuellar. Nem ele nem ninguém pode viver sem os outros e estes são muitas vezes o inferno de Sartre…
Este conto, escrito em 1967, é sem dúvida o mais interessante deste volume. A segunda narrativa (Os Chefes) corresponde ao primeiro texto de ficção que Llosa escreveu, em 1959 e, nas suas palavras, constitui uma espécie de microcosmos de toda a sua obra posterior. O que aí encontramos de significativo e que talvez justifique essa opinião é a análise da violência, particularmente entre jovens, como expressão de um mundo extremamente competitivo, marcado sempre pelos impulsos mais primários do ser humano, que se sobrepõem a uma educação ineficaz. Tal abordagem constitui, certamente, um importante traço autobiográfico pois a personalidade do autor ficou marcada de forma indelével por uma educação muito austera, tendo frequentado um colégio militar.

Os restantes contos desta edição, mais narrativos e de fácil leitura, são interessantes mas não têm a mesma mestria de Os Cachorros, que se destaca claramente. Quanto à temática, o denominador comum a todas estas narrativas é a violência e as constrições sociais que afetam o comportamento humano.

Sinopse: (in www.wook.pt)
Os Chefes (1959) foi a primeira obra publicada de Mario Vargas Llosa, e com ela obteve o seu primeiro reconhecimento literário, o Prémio Leopoldo Alas.
Segundo o autor, «Os Chefes é um pequeno microcosmo do que viriam a ser o resto dos meus livros.» Quando escreveu Os Cachorros (1967) o escritor peruano já era mestre de todas as faculdades da sua narrativa, pelo que este livro acaba por ser uma mostra da diversidade das paixões pessoais e colectivas.
Como afirma Mario Vargas Llosa: «De todas as obras que escrevi, esta é a que tem as interpretações mais diversas.» A partir dos adolescentes protagonistas dos dois textos, o autor reflecte sobre a tirania e a violência que marcam uma sociedade e frustram as expectativas dos seus habitantes.
Enviar um comentário