terça-feira, 1 de junho de 2010

A melhor leitura do mês

Foi um mês pouco produtivo... apenas três livros; no entanto, esta é uma obra de génio, que conquistou um lugar de honra na História da literatura mundial.



A minha classificação: 8,5 em 10

9 comentários:

Paula disse...

Este já consta da minha wish list.
Abraço

MJ FALCÃO disse...

Parabéns! belíssima escolha. Obra imortal...
Abraço
o falcão

Manuel Cardoso disse...

É mesmo uma obra imortal, MJ Falcão. Abriu caminho aos mais monumentais escritores dos 2 ultimos séculos: Tolstoi e Dostoievski.
Paula eu tenho dúvidas se vais gostar deste livro. Tenho dúvidas se vais gostar ou adorar...

Tania regina Contreiras disse...

E vai crescendo a minha lista, terei que viver muito, pois é muita coisa boa à minha espera na estante! :-)

Abraços,
Tânia

Homem do Leme disse...

Li este livro há já alguns anos e adorei. Uma excelente obra!!!

Ricardo Antonio Lucas Camargo disse...

Pleno acordo, no que diz respeito a "Almas mortas". Trabalho de gênio, que infelizmente não teve como ser concluído, mas que já nos coloca diante de um mundo literário em que não há personagens estereotipados, com aquela compreensão "mísera e mesquinha" - não no sentido camoniano, evidentemente - de um Bem e de um Mal definidos com nitidez, em que os personagens apenas buscam sobreviver, sem perguntar por quê. Se for para atribuir nota, divirjo: é 10 em 10, mesmo.

Manuel Cardoso disse...

Pois é, Tania, esse é o grande drama: a lista de livro aumenta mas a vida não chega :( Eu vou resolvendo assim o problema: leio sempre aquele que mais apetece.
beijinho

Homem do Leme, é de facto uma excelente obra. Alem do mais surpreende-me

Ricado
Excelente observação, essa!
Os personagens de Gogol são muitas vezes ambivalentes, são bons e são maus, afinal de contas como qualquer um de nós.
Ricardo, quando atribui 8,5 pensei nos grandes Dostoievski e Tolstoi. Sem dúvida Gogol foi percursor, mas as grandes obras desses dois outros escritores russos, essas sim, para mim, são nota 10. No entanto, é óbvio e evidente que isto é uma opinião pessoal.
Um abraço!

Anónimo disse...

Olá
Já li "O Grande Retrato".Gostei como de todos do Dino Buzzati.É assustador pensar que se poderia existir nesta forma de máquina inerte, mas pensante e sobretudo com alma. Ouvir, sentir, desejar, querer comunicar e não poder fazê-lo...Era como ser enterrado vivo.
Deixo aqui uma sugestão completamente diferente,de um livro que li há poucos dias por obrigação profissional: "O Romance da Raposa" de Aquilino Ribeiro, mas uma versão actual em banda desenhada. É giríssimo.E já agora "A história do Senhor Sommer" de Patrick Suskind, é uma pequena maravilha.
Até um dia destes.

Manuel Cardoso disse...

Olá Anónimo
interessante, essa sugestão do romance da Raposa em BD... vou tentar, se bem que a BD não seja o meu forte...
Quanto ao Suskind, só li o Perfume (obra fabulosa). Já anotei esse título.
Até breve e obrigado pela visita