quarta-feira, 10 de abril de 2013

Manual de Pintura e Caligrafia - José Saramago




Sinopse
«Um apego ao concreto. Uma obra tida como ímpar no género da literatura autobiográfica. Depois de ter investido, durante 30 anos, na poesia e na crónica, José Saramago regressa às origens e recupera o romance, género com que tinha iniciado a sua carreira. Aos 55 anos, inicia nova vida literária, que o irá transformar no mais conhecido escritor português contemporâneo. Carta de ideias e rumos. Os muros de Caxias. Um pintor a retratar as vicissitudes do quotidiano. Sabe que nunca acabará o segundo quadro. ""O retrato está tão longe do fim quanto eu quiser, ou tão perto quanto eu decidir"". Saramago e o homem no tempo e nas circunstâncias, nas luzes e nas sombras. Saramago em viagem. ""Verifico que mais fácil me foi ir dizendo quem era do que afirmar hoje quem sou"". Saramago de inquietações e interrogações, de luta política. A última página deste romance regista a queda do regime.» (Diário de Notícias, 9 de Outubro de 1998)"

Comentário:
1947, 1977, 1980 e 1982 são datas fulcrais da carreira do nosso grande Mestre. Em 1947 publicou o seu primeiro livro, Terra do Pecado para depois se eclipsar como escritor até 1977, ou seja, trinta anos depois. É nesse ano que ele, com 55 anos de idade (!) começa a sua verdadeira carreira literária, precisamente com este Manual de Pintura e Caligrafia. Dois anos depois publicará esse maravilhoso Levantado do Chão, um livro a que alguns chamaram romance rural mas que eu prefiro encarar como um dos expoentes máximos do romance neo-realista. Mais dois anos depois, em 1982 surge o monumento maior da literatura portuguesa: Memorial do Convento.
Este livro é portanto, um marco histórico. Não é o melhor livro de Saramago nem nunca poderia ser; nota-se a incipiência do estilo, até uma certa timidez na criação de situações ficcionais. Sendo uma obra autobiográfica, notam-se algumas hesitações na relação entre realidade e ficção. No entanto, muitas dessas hesitações refletem outra realidade mais profunda: a dificuldade filosófica de separação entre a realidade vivida e o universo ficcional do escritor. Este tema, aliás, tornar-se-á recorrente em toda a obra de Saramago.
O livro narra-nos o percurso de vida de um homem que, em plena ditadura fascista, decide substituir a pintura pela escrita; H. era um pintor medíocre (ou, pelo menos, banal) que, desiludido com a sua arte começa a escrever um livro. No entanto, ele não consegue separar o livro da sua própria vida. É todo o drama da relação (ou contradição?) da vida com arte que vem ao de cima.
No entanto, subsiste na mente do autor um conceito de arte que não passa de uma dimensão da vida, mas uma dimensão superior; algo que supera, que ultrapassa, a própria vida. Saramago cita-nos neste livro o grande artista que foi Paul Klee: “um quadro que tenha por tema um homem nu deve compor-se de maneira que seja respeitada não a anatomia do homem mas a do quadro”. Quer dizer: a arte justifica-se a si própria e a realidade será a tal imitação da arte a que já Oscar Wilde fazia referência. A pintura e a escrita de ficção afinal, descobre H./Saramago, têm tudo em comum; numa como noutra, a relação entre sujeito e objeto é comandada por uma interdependência permanente em que o enredo (quadro pintado ou romance escrito) altera a mente do artista e vice-versa. Esta temática será retomada mais tarde, de forma mais sistemática, no livro História do Cerco de Lisboa.
Um outro aspeto que me parece importante neste livro é a conceção proletária do artista, por oposição clara à burguesia capitalista, mais chegada ao regime salazarista que vigorava, mesmo após a morte do ditador. Neste sentido, trata-se de uma obra como uma forte dimensão política. No entanto, como podia Saramago, um homem que sempre lutou pela liberdade, fugir ao contexto político?
Enviar um comentário