quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Os Filhos da Meia-Noite - Salman Rushdie


Sinopse:
A história da Índia no século XX narrada em chave de realismo fantástico. Assim pode ser descrito o romance Os filhos da meia-noite, de 1980, que rendeu a Salman Rushdie o Booker Prize de 1981 e o Booker of Bookers Prize, em 1993, conferido ao melhor livro publicado durante os primeiros 25 anos do mais importante prêmio literário britânico.
O muçulmano de família abastada Salim Sinai, que narra em primeira pessoa a sua história, nasceu em Bombaim à meia-noite de 15 de agosto de 1947, no instante em que a Índia se tornava uma nação independente. A trajetória de Salim estará ligada à complexa e conturbada saga de seu país. Para complicar, ele descobre que foi trocado na maternidade por outro recém-nascido. Na verdade, deveria ser um hindu de família pobre.
Todos os mil e um indianos nascidos entre a meia-noite de 15 de agosto e a uma hora da madrugada de 16 de agosto de 1947 desenvolveram poderes extraordinários; o de Salim é a telepatia, que lhe permite reconstituir a história de sua família desde 1910 e examinar os acontecimentos políticos e culturais da Índia.
Primeiro livro a projetar Rushdie como um dos grandes escritores de nossa época, é considerado por boa parte da crítica o melhor livro já escrito pelo autor.
In http://www.companhiadasletras.com.br

Comentário:
Sem querer, acabei por encontrar um importante ponto de contacto entre os dois livros que li ultimamente: o que têm de comum Os Filhos da Meia Noite e Os Passos Perdidos, de Alejo Carpentier? Coincidência das coincidências, são dois livros marcantes dos alvores do realismo mágico. E são nítidas as influências de Garcia Marquez nesta obra de Rushdie, nomeadamente na estrutura da obra, baseada numa longa saga familiar, para além do estilo.
Neste livro, Rushdie presenteia-nos com uma obra fantástica, cheia de pormenores sobre a história da Índia no século XX.
Este livro, publicado em 1981, precedeu o famoso “Versículos Satânicos” em oito anos. Mas já aqui Rushdie deixa clara a sua tendência para abordar os costumes religiosos numa perspetiva muito crítica, irónica e até bastante mordaz. Exemplo disso é a forma como brinca com o culto das vacas sagradas e a valorização da bosta. Mas não é só o hinduísmo o alvo da crítica; há um padre católico que afirma que Jesus Cristo é azul, justificando: "o importante é evitar o preto e o branco”. O avô de Aziz, por exemplo, odeia as religiões porque ensinam a odiar.
Todo o livro é uma imensa caricatura da Índia e não é só a religião que contribui para a paródia: são os costumes, as injustiças, e até o sofrimento de milhões; são quinhentas páginas de humor negro e sarcástico. Outro exemplo significativo é o costume dos velhos de Bombaim cujo passatempo favorito era cuspir para uma escarradeira a vários metros de distância, enquanto as crianças se divertem passando entre os jatos de expetoração, evitando ser atingidos por elas.
O poder político é outro grande alvo. Os FILHOS DA MEIA NOITE são, afinal, os filhos da Índia livre que Indira Gandhi condenou. De facto, a senhora Gandhi (que governou a Índia de 1966 a 1977 e de 1980 a 1984) é o principal alvo de Rushdie.
Quanto ao herói do livro, Saleem Sinai, não passa de um menino-prodígio tornado vítima da própria Índia e de um conjunto de conflitos totalmente insanos. As guerras com o Paquistão, a Guerra do Bangladesh e os conflitos com a China fazem com que a vida de Sinai nada tenha de autónomo, de individual; tudo se passa como se ele não tivesse vida própria e fosse levado por uma enxurrada de acontecimentos trágicos, de tal forma que a vida não passa de isso mesmo: uma sucessão de desgraças e misérias.
Para o leitor, esta sucessão de desgraças pode tornar-se algo fastidiosa, no entanto, a escrita irónica e o tom de humor que o autor imprime à escrita tornam a leitura agradável e fluida.

Enviar um comentário