terça-feira, 20 de maio de 2014

O Signo dos Quatro - Arthur Conan Doyle



Sinopse:
Nesta nova aventura de Sherlock Holmes, Mary Morston, uma jovem governanta, recorre aos serviços do detetive para tentar descobrir o que aconteceu ao seu pai, que alguns anos antes desaparecera sem deixar rasto após ter regressado da Índia. Estaria o seu desaparecimento relacionado com as valiosíssimas pérolas raras que um remetente desconhecido enviava anualmente à jovem Mary, uma de cada vez? Depressa Holmes e o seu fiel companheiro, o doutor Watson, veem-se a braços com um caso de contornos bizarros envolvendo um terrível assassinato e um fabuloso tesouro perdido. E o que significa «o signo dos quatro», a estranha inscrição encontrada junto do cadáver? Terá Sherlock Holmes encontrado por fim um inimigo capaz de o suplantar? Os acontecimentos sucedem-se a um ritmo vertiginoso, e o detetive vê-se forçado a embarcar numa corrida contra o tempo para capturar o criminoso antes que este desapareça para sempre.

Comentário:
Ler Conan Doyle é um precioso último recurso quando nada mais apetece fazer ou então quando as obrigações da vida parecem querer devorar-nos o corpo e a alma. Nos períodos de stress, quando é preciso encontrar um escape de emergência, é bom ter um Conan Doyle à mão; quando nada mais há para fazer e a preguiça impera, um Conan Doyle é a solução; quando nos cansamos de ler estórias sérias, profundas, reflexivas e às vezes deprimentes, uma boa dose de Conan Doyle, três vezes ao dia, é remédio santo.
Ou seja: não há altura que não seja ideal para ler este Mestre, este senhor da literatura policial. Policial e não só, porque se Sherlock Holmes criou tantos fãs não foi só por ser mestre em deslindar crimes intrincados; foi porque o seu autor fez dele um dos personagens mais fascinantes de toda a história da literatura.
E Conan Doyle é muito mais que um escritor de policiais; é um dos maiores génios literários de todos os tempos.
Estou convencido que os maiores segredos do sucesso deste escritor são os seguintes: escrita objetiva, sem floreados, um doseamento correto da solução do enredo, sem guardar para o fim o tradicional desfecho "bombástico" e uma cultura geral fantástica que espalha pelos seus livros conhecimentos invulgares para aquela época.
Este livro é um testemunho claro do que acabo de escrever. As personagens são caraterizadas com mestria, criando imagens claras na mente do leitor; o enredo é simples sem cair no simplismo radical; a estória é envolvente porque despojada de descrições inúteis e reflexões enfadonhas; o mistério, esse, é o leitor que o vai desvendando, com "pistas" que o autor nos vai deixando a conta-gotas. É por isso que é tão difícil parar de ler Conan Doyle; porque é na mente de quem lê que se vai construindo a estória.
Neste livro, a aventura leva-nos até uma autêntica caça ao tesouro, com cenas emocionantes de perseguição no rio Tamisa, em que os barcos a vapor, alimentados pelo carvão, nos fazem lembrar as perseguições policiais de Hollywood com automóveis de grande potência a romper pneus no asfalto. Tudo em busca de um tesouro trazido de África, misteriosamente desparecido e que finalmente...
O melhor mesmo é ler...
Enviar um comentário