quarta-feira, 30 de abril de 2014

O Retrato - Nikolai Gogol

Sinopse:
Este O Retrato é o mais romântico dos "Contos de Petersburgo",quanto mais não seja pelo tema central - o pacto com o demónio. É também uma profunda reflexão sobre a vida e a arte (a arte imitação da natureza ou imitação de Deus?), prefigurando o grande dilema da vida e da obra do próprio Gogol, do seu próprio destino: vamos encontrar em O Retrato o delineamento das grandes contradições que envolveram a criação de Almas Mortas, a grande hesitação e finalmente o repúdio da segunda parte deste livro, a queima da obra espúria, etc.
É também, evidentemente, um conto sobre a sociedade castradora - Petersburgo. Desta vez, é um pintor que se vê privado do seu talento por obra do excesso de realismo e da ambição de glória e riqueza que nele desperta a cidade... Tal como nos outros Contos de Petersburgo com Gogol quase acreditamos que o mal não é russo e que Petersburgo não é Rússia: aqui, entre os pobres cinzentões de Kolomna (bairro periférico a oeste de Petersburgo), o diabo é ardente, agiota e estrangeiro.
Filipe Guerra, em www.almedina.pt
Comentário:
Os russos têm destas coisas. Principalmente os escritores russos do século XIX: Gogol é considerado um dos fundadores do chamado realismo russo. Mas parece-me que é muito mais que um escritor realista. Passo a explicar: se, pela análise social e pela escrita objetiva, direta, ele reflete essa onda a que se chamou realismo, a abordagem psicológica aproxima-o de um Dostoievski e a abordagem nas margens do fantástico confere-lhe um halo de pioneirismo na literatura da Rússia, se bem que a essa abordagem se possa atribuir o inevitável e confortável carimbo de "romântico".
Na verdade, é pouco comum nos escritores deste imenso país esta tendência para o fantástico. O velho retratado, com  o seu olhar demoníaco, facilmente prende o leitor como prendeu o interesse do jovem pintor, enfeitiçado pelo seu brilho.
No entanto, este conto de Gogol vai muito além de uma incursão "realista" pelo fantástico: a luta interior que o pintor trava, entre a força do seu talento e a pressão social, manifesta um conflito que ainda hoje é tão discutido: deve a arte submeter-se à ditadura daquilo que o público pede? esta questão ainda há pouco foi por mim abordada neste blogue a propóstito de um livro de Stephen King: o escritor, como o pintor, são muitas vezes tentados por aquilo que o público lhes exige, hipotecando toda a criatividade e talento.
O pintor Tcharkhov, como tantos escritores atuais, vendeu o seu talento; ele próprio "vende-se" à tentação demoníaca do sucesso fácil, desprezando a própria arte.
Por outro lado, Gogol agarra esta ideia como forma, também, de pôr em causa toda a ignorância e futilidade das classes mais poderosas. Não podemos esquecer que este livro foi escrito em plena era czarista, numa sociedade já decrépita, dominada pelos senhores que exploravam os mujiques e que viriam a ser a causa da revolução soviática, umas décadas depois. Nestas páginas de Gogol, como em tantas outras de Tolstoi ou Dostoievski anunciavam-se tempos de mudança. O obscurantismo não poderia durar eternamente. Os interesses económicos e politicos que justificavam a servidão quase feudal cavavam a sua própria sepultura. No entanto, pelo caminho, a arte e a inteligência iam sendo espezinhadas. Será que hoje, mais de um  século depois, não estaremos a seguir o mesmo caminho?
Sem dúveida, um livro que merece ser lido. E pensado. E por falar em interesses eonómicos: encontrei este livrinho numa edição da Quasi, numa daquelas bancas de livros "low-cost" por... um euro!!! Mais uma prova de que a arte, afinal, não tem preço.
Enviar um comentário